3 dicas para construir uma casa ecológica com segurança

No processo de construção da nossa casa, optamos por materiais como argila, areia e palha para minimizar o uso de cimento e construir com barro. 

Exemplo de trama em bambu-a-pique em uma das nossas primeiras construções pela EcoVIDA São Miguel, em Moeda/MG, pelos idos de 2008. Lá no fundo, a parede de barro rachou, provavelmente por excesso de argila ou um material que não é da melhor qualidade. Mas era o que dispunhamos no local e com um bom reboco isso se resolve. Veja a massa de um reboco no MarcenariadeCacamba (link acima)

Quando pesquisamos os efeitos sobre a saúde e o meio-ambiente dos materiais sintéticos usados na construção civil -petroquímicos, tintas, aditivos repletos de compostos orgânicos voláteis (COV´s)- a opção por construir com materiais naturais fica mais forte.





Bioconstruir com barro: as crianças adoram



Dica 1

Depois que nosso bloco de adobe rachou, aprendemos direitinho alguns detalhes que fazem a diferença. É importante escolher uma terra que tenha uma boa proporção de argila. É mais comum que as terras argilosas sejam vermelhas. As terras levemente amareladas enganam: parece que tem pouca argila, mas costumam ser as melhores e racham pouco. 

A argila é um grão do solo mais fininho que a areia e o silt. Quando molhada, ela gruda e forma uma bolinha. É ela que dá o efeito plástico, a liga da massa.

É importante achar também a boa proporção nas quantidades de terra argilosa e areia. Se a massa tiver argila em excesso, a parede pode rachar. Na verdade, vai mais areia na massa (em média 70%) do que argila em si.

Vá testando e aprendendo. Tem que sair uma massa gostosa de trabalhar com a mão. É como fazer um pão.

A durabilidade da construção com barro: casa de cob de 1539



Dica 2

Um dos medos de quem constrói com barro é que as paredes sejam atingidas pela chuva e literalmente “se dissolvam”.  É importante ficar atento a esse detalhe, fazendo um bom alicerce para a casa e beirais de telhado que evitem a chuva direta. No “Manual do Arquiteto Descalço” recomenda-se um beiral de no mínimo 0,80m e até 1,2m.

Para a umidade não subir pelo piso por capilaridade, pode ser colocada uma camada de seixos (pedriscos).  Como eles não ficam muito compactados, e ficam partes de ar entre eles, a água não consegue subir e o piso fica protegido da umidade. Por cima da camada de seixos, coloca-se uma lona e então já se pode fazer o piso. A dica é de Jorge Belanko de “El barro, las manos, la casa”.

Casa de barro com estufa integrada: clássico da permacultura para aquecer a casa


Dica 3

Outro importante passo para uma boa parede de barro é o reboco. O Peter ensina fazer um reboco legal no marcenariadecacamba, mas depois que fizemos esse reboco a gente aprendeu mais um detalhe que é colocar o barro para fermentar junto com a bosta de vaca. É assim que nossas avós faziam até para encerar o chão.

Depois é só passar uma tinta de terra pintando sua parede com as cores que quiser, mas vale acrescentar cal virgem já hidratada na receita. A cal vem das rochas calcáreas, assim como o cimento portland, mas não tem os mesmos impactos ecológicos, pois não passa pelo processo de queima a 900º. Ela é ótima para absorver umidade e evitar mofo, sendo usada por donas de casa para secar armários úmidos e proteger os móveis. Construções ancestrais, como as egípcias, fazem uso do material.

A massa de barro: notem que esse ponto ainda está muito molhado. É bom também acrescentar bastante palha.



Nenhum comentário: